Buscador de agasallos

Busca por prezo, idade e tipo de proposta

Pechar

0 €
+200 €


0 anos
+18 anos


Produto

Inicio » Catálogo » Como não ser, tranquilamente, human@s
Difundir o artigo en Cabozo

Como não ser, tranquilamente, human@s


Como não ser, tranquilamente, human@s
Etiquetas
Autor
Rebeca Baceiredo
Ano
2021
Referencia
978-84-16545-56-8
ISBN
978-84-16545-56-8
Idade
+18 anos
PVP rec.
15,00 €
Valoración
0 puntos

Como não ser, tranquilamente, human@s. Técnica e Politica da Antiguidade à Era NeoLiberal

Como não ser, tranquilamente, human@s. Técnica e Política da Antiguidade à Era Neoliberal procura a relação entre a concepção da técnica, o antropocentrismo e o pacto social, que envolve, não só o âmbito deliberativo da constituição da cidadania, referente ao logos, mas a distribuição de funções, quer dizer, o trabalho.

Se numa origem a técnica era concebida como pré-humana, posteriormente passa a ser entendida como uma capacidade do antropos, inaugurando o humanismo. Porém, na atualidade, a tecnologia e tecnociência, mesmo com capacidade para alterar a própria ontologia, parecem tornar-se algo autónomo, alheio ao humano. No entanto, não faz mais parte do pensamento cósmico antigo (Nous), mas da estrutura produtiva do capitalismo, que naturaliza os processos do humanismo e permanece ancorado no niilismo negativo e reativo dos últimos humanos.

Rebeca Baceiredo (Ourense, 1979) é uma filósofa e escritora galega. Licenciada em Ciências da Comunicação pela Universidade de Santiago e doutora em Filosofia com uma tese sobre Gilles Deleuze, Achegas onto-éticas para a liberación do suxeito. Unha aproximación a partir da filosofía de Gilles Deleuze. Publicou O suxeito posmoderno. Entre a estética e o consumo (Prémio Ramón Piñeiro de Ensaio 2005; Galaxia 2006), (repeat to fade) (Estaleiro, 2011), A revolución non vai ser televisada. Devir imperceptible seguindo a Gilles Deleuze (Prémio AELG de Ensaio, 2013; Euseino? 2013), E meterei a miña lei no seu peito (Estaleiro Editores, 2014), Capitalismo e fascismo (Euseino? 2015), Oiko-nomía do xénero. Relato das clausuras (Axóuxere, 2016), O canto da Sibila (Galaxia, 2016) e A verdade errada e a representación errante (Euseino?, 2018).



Onde conseguir esta proposta

Livrarias da Galiza e Portugal

Loja Através | Editora